quinta-feira, fevereiro 21Campos Altos - Minas Gerais - Brasil

Prédios da Estação Ferroviária serão cedidos definitivamente ao município

Prefeitura Municipal de Campos Altos, através da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, cria Lei que celebra convênio com a Ferrovia Centro Atlântica – FCA, com interveniência do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte – DNIT, objetivando a transferência dos prédios da Estação Ferroviária para o município. 

A Lei 812/2018 (imagem ao lado) foi aprovada na Câmara Municipal e sancionada pelo Prefeito Municipal. Em seguida a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo encaminhou a Lei juntamente com o termo de convênio a FCA, para serem tomadas as devidas providências junto ao DNIT.

Após aprovação e liberação do DNIT, os prédios da Estação Ferroviária serão cedidos definitivamente ao município, para restauro e instalação do “Centro Cultural de Campos Altos”.

Estação Ferroviária de Campos Altos: histórico e descrição das atividades que serão desenvolvidas nos imóveis após liberação da FCA e do DNIT

A história da Estação Ferroviária de Campos Altos confunde-se com a própria história da cidade que surgiu com a chegada do trem de ferro. O monumento foi construído em 1912 e a partir desse marco arquitetônico originou-se o povoado de Urubu, posteriormente denominado de Campos Altos.

Entre 1920 e 1924, a estação passou por reformas e acréscimos, ao seu lado foi construído um edifício maior, em estilo art-decó, movimento que priorizava os desenhos geométricos, retilíneos e uso do concreto. Após a ampliação, o primeiro prédio foi relegado à função de armazém de cargas e materiais diversos, já o segundo abrigou em seu interior por várias décadas a bilheteria, o escritório do chefe da estação e o telégrafo. A Estação foi palco do transporte de cargas e passageiros entre 1912 e a década de 1980, sendo o principal referencial urbano para o cidadão campos altense.

Nas décadas de 1970 e 1980, simultaneamente à decadência do transporte ferroviário no Brasil, a estação foi perdendo sua função de marco simbólico e físico da municipalidade. Com a retirada do telégrafo, ela perdeu toda sua função original e seu mobiliário, se convertendo em deposito e sofrendo algumas alterações internas. No início de 1983, o trem deixou de transportar passageiros em Campos Altos.

Quando ainda acontecia o transporte de passageiros em Campos Altos, a locomotiva passava diariamente pela cidade. Na terça, quinta e sábado rumo a Belo Horizonte, na segunda, quarta, sexta e domingo indo para Brasília. Desembarcavam na estação as máquinas mais modernas da manufatura do café, os filmes exibidos no cinema, os materiais de construção, os visitantes ilustres, as notícias dos grandes centros, as cartas dos familiares. Partia dela o café, a produção agrícola da região, os filhos da cidade, as encomendas, a esperança de uma vida melhor. Pouco antes, porém da RFFSA encerrar o transporte de passageiros, ela começou a operar o “trem misto”, uma ou duas classes eram reservadas para pessoas, uma destinada aos Correios e Telégrafos e o restante para transporte de cargas (café, milho, gado, cimento, etc). O transporte de passageiros teve como principal fator de declínio a expansão do transporte rodoviário. Os passageiros, muitas vezes, preferiam viajar de ônibus por que este meio garantia maior rapidez.

Hoje o trem só passa por Campos Altos levando principalmente grãos (milho, soja e café) e minérios. Além disso, a estação férrea é utilizada pela FCA como sede de núcleo de via permanente para as atividades operacionais do transporte de cargas. Desde setembro de 1996, a Ferrovia Centro Atlântica – FCA, empresa arrendatária da linha férrea que corta a cidade de Campos Altos, utiliza o prédio da estação como escritório, vestiário e refeitório para seus funcionários. Já o armazém como depósito de materiais para manutenção das máquinas e da via ferroviária. Atualmente o estado de conservação do edifício é regular, necessitando urgentemente de intervenções.

Devido ao seu valor histórico, simbólico e sua singularidade arquitetônica, em 21 de fevereiro de 2004, o Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de Campos Altos, aprovou o processo de tombamento da Estação Ferroviária, declarando-a como Patrimônio Histórico e Cultural do Município. Com isso, o poder público municipal tem o dever de zelar pela conservação e integridade física do bem.

Por meio dos recursos do FUMPAC – Fundo Municipal de Proteção ao Patrimônio Cultural, em julho de 2013, foi contratada uma empresa, para elaborar o projeto de restauro, complementares e requalificação arquitetônica do prédio da Estação Ferroviária.

Em setembro de 2014 a empresa concluiu e entregou o projeto que é composto por: pesquisa detalhada sobre a edificação e seu contexto no município, com objetivo de conhecer e analisar o bem cultural sob os aspectos físicos, histórico, artístico, formal e técnico; mapeamento de danos com o levantamento das características geométricas da edificação, seu sistema construtivo e seus vínculos estruturais, execução de estudo dos aspectos físicos e ambientais que influenciam no seu estado de conservação; Projeto de Restauro, elaborado de acordo com os critérios de intervenção para tratamento das patologias identificadas no mapa de danos; Projeto de Requalificação Arquitetônica com a definição de novos usos para área contígua ao prédio da estação; Projetos Complementares (hidráulico, elétrico, contra incêndio, entre outros); por fim o Projeto Executivo com o detalhamento dos projetos desenvolvidos para realização da obra. Além dos projetos supracitados, inclui ainda a planilha orçamentária e caderno de encargos, com base nas especificações; Estudo Estratigráfico para identificação das cores originais da Estação.

Assim, o restauro da estação vem de encontro à necessidade de preservação e estímulo à conservação dos bens culturais do município. Graças à iniciativa da Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e o Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de Campos Altos, o município poderá receber nos próximos anos um edifício restaurado, além da requalificação urbanística e arquitetônica do entorno imediato do conjunto.

Com a restauração do conjunto edificado, o projeto propõe novo uso para os prédios, que receberão: o escritório técnico da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, sala de reuniões do Conselho Municipal do Patrimônio Cultural, espaço para o ateliê e lojinha do artesanato local, sala de exposições (museu), memorial da ferrovia e da cidade, nova sede para Biblioteca Pública Municipal e auditório multiuso. No espaço externo, área para atividades ligadas à cultura e convívio. A Estação Ferroviária e seu entorno serão a sede do “Centro Cultural de Campos Altos”.